Orientação

Conteúdos digitais do Sebrae-RN registram mais de 90 mil acessos

A instituição criou sites e conteúdos digitais, como e-books, cartilhas e informativos, para orientar e ajudar o empreendedor durante a fase crítica da pandemia e a retomada das atividades

Lorena Roosevelt explica a demanda dos empresários pelos conteúdos digitaisNatal - Informação e orientação foram as principais alternativas utilizadas pelo Sebrae no Rio Grande do Norte para lidar com a pandemia do novo coronavírus e dar suporte aos empreendedores potiguares em um momento de expectativa, receios, distanciamento social, medidas restritivas e principalmente de poucos clientes e baixas vendas. A estratégia surtiu efeito. As ações desenvolvidas no meio digital para auxiliar as pequenas empresas do estado tiveram uma aceitação e, em cinco meses, as páginas e conteúdos criados em função da pandemia superaram os 90 mil acessos, entre visitas e downloads. Todo o material pode ser conferido a partir do portal www.rn.sebrae.com.br/.
Nesse período, a instituição foi desenvolvendo novos hotsites conforme as necessidades do período. O primeiro foi uma página dedicada à situação de pandemia e isolamento, na qual o Sebrae concentrou toda a equipe remotamente e disponibilizou os atendimentos virtuais aos empreendedores. O programa Sebraetec também teve uma participação fundamental nesse período. O projeto, que normalmente subsidia 70% do valor de serviços tecnológicos, passou a ofertar também serviços gratuitos na área de design e comunicação para ajudar na digitalização de pequenos negócios ou  como melhor estruturar a presença na web e nas mídias sociais. O site do programa teve mais de 27,5 mil acessos.
_Olho_
No momento de dificuldade financeira, a busca por empréstimos nas instituições financeiras foi a saída para muitos empreendedores, mas o crédito na maioria das vezes não estava tão acessível para o pequeno. O Sebrae criou uma página com orientações, informações sobre bancos e linhas disponíveis, inclusive com atendimento remoto individualizado, para o empreendedor ter mais chances de obter o financiamento do banco dentro das particularidades e porte do negócio, o que provocou a visitação de 11 mil empreendedores. Foi elaborado um simulador de empréstimos para minimizar os riscos de endividamento após a contratação do crédito.
Mas entre todos os hotsites desenvolvidos nessa fase, o recordista foi o do programa Reinicie de Bioprevenção. Foram mais de 40 mil acessos de dono de pequenos negócios que precisavam retomar as atividades com segurança, mas não sabiam como. A página reuniu informações e conteúdos digitais específicos para cada segmento, dando noções de como criar regras, protocolos e medidas de higiene e boas prática para os públicos envolvidos no negócio.
“Os empresários não sabiam como proceder. Tudo era, e ainda é muito novo. E o Sebrae juntamente com todos os parceiros, foi protagonista nesse processo de orientação da volta das atividades com segurança, lançando o programa de bioprevenção. Temos visto um genuíno interesse dos empresários para que suas empresas continuem sendo um ambiente de acolhimento, porém com a segurança necessária”, explica a gerente da Unidade de Desenvolvimento Setorial do Sebrae-RN, Lorena Roosevelt.
Informação a um click
A produção de e-books, cartilhas e informativos digitais foi intensa. No site da bioprevenção, por exemplo, há cartilhas com protocolos de boas práticas em tempos de Covid-19 para os segmentos de negócios de beleza, bares e restaurantes, clínicas, lojas de shopping e de rua, academias de ginásticas, bugues, quiosques, mercearias, mercadinhos, supermercados, meios de hospedagem, negócios da moda, panificadoras, escritórios, lojas de materiais de construção, escolas, transporte, eventos culturais, feiras livres, lojas de móveis, games e muito mais.
O agronegócio também mereceu uma atenção especial em relação a conteúdos. Um site reuniu todas as informações e cartilhas necessárias para o homem do campo vencer o desafio da crise do coronavírus. Todo o material foi separado por segmento: apicultura, meliponicultura, aquicultura (peixes, ostras e camarão), avicultura, mandiocultura, fruticultura, horticultura, agroecologia e orgânicos, ovinocaprinocultura, suinocultura, equinos, bovinocultura, queijeiras artesanais, gestão e comercialização, além de uma agenda do produtor rural. Somente a página do programa Leite e Genética registrou quase 3 mil acessos. O programa oferece técnicas reprodutivas de rebanho bovino com acompanhamento de veterinário de forma subsidiada.