Energia solar

Empresas potiguares do segmento fotovoltaico se unem em associação

Com apoio do Sebrae, empresários do setor buscam fortalecer essa cadeia produtiva que apresenta potencial de desenvolvimento no RN. A atual potência instalada é de 72,6 MW

Mais de 100 empresas atuam no segmento de energia solar fotovoltaica no RNNatal – Em poucos anos, o Rio Grande do Norte viveu um boom no setor de energia solar fotovoltaica e ocupa a 13ª posição no ranking dos estados brasileiros com maior potencial de energia fotovoltaica instalado. Em julho deste ano, a potência foi de 72,6  megawatt (MW), de acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Para fortalecer o segmento e retomar o ritmo de crescimento que o segmento vinha registrando antes da pandemia, os empresários da cadeia produtiva decidiram, com o apoio do Sebrae no Rio Grande do Norte, unirem-se em torno da Associação Potiguar de Energias Renováveis (APER).

A assembleia para constituir a associação, assim como a eleição da primeira diretoria executiva, ocorrerá em solenidade programada para esta quarta-feira (16), às 16h30, na sede do Sebrae, em Natal, tendo como convidados representantes do Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Caixa Econômica e Companhia Energética do RN (Cosern), além de dirigentes do Sebrae. Um evento realizado com público reduzido, respeitando os protocolos de bioprevenção, preconizados pelas autoridades sanitárias.

A união desses empreendedores em torno de uma associação faz parte das ações do Projeto de Atendimento RN Solar, que mobilizou os integrantes da cadeia produtiva, dando suporte nas áreas contábil e jurídica para o desenvolvimento do estatuto. O grupo recebeu mentorias, inclusive individualizada para destacar lideranças. “Unidos em uma associação, essas empresas serão capazes de atingir outras esferas e acessar outro patamar para os negócios de energia solar fotovoltaica. Existem pleitos e oportunidades que podem ser mais facilmente alcançados com a união de várias empresas, do que isoladamente”, ressalta a gestora do projeto, Maézia Teodora.

Empresas participantes

A associação reunirá inicialmente 32 empresas, todas do mercado de energia solar, mas a entidade poderá agregar todas as cadeias produtivas de energias renováveis existentes no Rio Grande do Norte. “A principal finalidade da associação é o desenvolvimento da utilização de energias renováveis como um todo, porém com um foco especial da sua utilização através do sistema de geração distribuída, aquele em que o consumidor gera a sua própria energia”, comenta um dos empresários do setor, Max Diógenes Pereira.

_Olho_

Na visão dos empreendedores, apesar de existirem duas associações nacionais, que tratam basicamente do desenvolvimento da energia solar, o enfoque é em temas nacionais. Daí a importância de uma associação local que trate os temas regionais, como por exemplo o relacionamento e a busca de soluções junto à concessionária local de energia elétrica e com órgãos governamentais e não governamentais do estado que tratam do tema, direta ou indiretamente.

“Trata-se de um segmento em pleno crescimento, com potencial impressionante na criação de negócios e principalmente de empregos, notadamente na nossa região tão abençoada pela fartura de sol e vento, os grandes vetores de energia renovável em todo o mundo, e particularmente na região Nordeste do Brasil, com potencial quase infinito de crescimento”, enfatiza o empresário José Maria Vilar, um dos articuladores para fundação da APER.

Potencial do setor

Segundo Vilar, todas as empresas integrantes da cadeia foram convidadas, sendo que 32 estão participando como fundadoras, o que já é um número representativo. “Nossa expectativa é que, aos poucos, a quantidade de associados venha aumentar ainda muito mais. Não poderíamos deixar de registrar um agradecimento especial à diretoria e equipe técnica do Sebrae, pelo apoio imprescindível durante as discussões e formatação da Associação”, reconhece José Maria.

Um dos objetivos da associação é criar um cadastro atualizado das empresas existentes e mapear quantas pessoas estão empregadas nesse segmento no RN. Estima-se que mais 100 empresas atuem nessa cadeia produtiva no RN, que conta com cerca de  4,7 mil projetos instalados e que geram essa potência de 72,6 MW para 5,3 mil unidades consumidoras, sejam residências ou empresas estabelecidas no estado.