Retomada da economia

Presidente do Sebrae condiciona a retomada ao avanço da vacinação

O diretor-presidente do Sebrae, Carlos Melles, cumpre agendas no Rio Grande do Norte, conhecendo as estruturas do Sebrae-RN e de parceiros do ecossistema de inovação do estado, como o Instituto Metrópole Digital (IMD) e o Instituto Senai de Inovação

Natal - A vacinação da população contra a Covid-19 é o grande remédio para garantir a retomada das atividades empresariais no Brasil, cujos avanços ocorrem no ritmo em que a cobertura vacinal vai sendo ampliada para todas as faixas etárias. O ânimo dos empresários está aumentando cada vez mais, ante a perspectiva da plena retomada entre outubro e novembro deste ano, em que pese a grande dificuldade enfrentada pelo setor de turismo no país e no mundo. Contudo, o turismo regional e, especialmente o familiar, deverá ganhar maior incremento no período de alta estação e férias escolares, em viagens de curtas distâncias e terrestres.

A análise é do diretor-presidente do Sebrae, Carlos Melles, que está em visita ao Rio Grande do Norte, conhecendo as estruturas do Sebrae-RN e de parceiros do ecossistema de inovação do estado, como o Instituto Metrópole Digital (IMD) e o Instituto Senai de Inovação. Carlos Melles destacou que o Sebrae no Rio Grande do Norte é referência para todo o Sistema Sebrae. “O trabalho feito aqui é exemplar. Vocês são um produto diferente no sistema. A inovação na veia, a gente percebe desde a porta de entrada até a saída”, elogia Melles.

Carlos Melles foi recebido pelo presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae-RN, Marcelo Fernandes de Queiroz, e pelos diretores José Ferreira de Melo Neto (Superintendente), João Hélio Cavalcanti (Técnico) e Marcelo Toscano (de Operações). Esteve reunido pela manhã com a equipe técnica do Sebrae-RN e no início da tarde com representantes de entidades empresariais, como as federações da  Indústria, Comércio e Agricultura, que fazem parte do Conselho Deliberativo Estadual da instituição de apoio às micro e pequenas empresas do Rio Grande do Norte.

Transformação digital

O grande desafio do Sebrae tem sido a reinvenção, às vésperas de completar 50 anos em 2022, buscando a produtividade das micro e pequenas empresas para garantir maior número de empregos no segmento, que responde por 55% das carteiras assinadas no país. “Desde 2019 vínhamos trabalhando o Sebrae que o Brasil precisa, colocando o Sebrae em rede na medida em que priorizamos a transformação digital. Quando veio a pandemia em 2020 nós estávamos mais preparados do que imaginávamos que estivéssemos e viramos a chave”, lembra Melles.

O diretor-presidente do Sebrae admite que a redenção da maioria absoluta das empresas diante da pandemia foi migrar para as vendas no digital e que para fortalecer as vendas online, as pequenas empresas tiveram que se associar à grandes plataformas digitais e se inserirem no marketplace. “O Sebrae fez uma grande parceria com o Magazine Luiza, que tem dado muitos bons resultados. A micro e pequena empresa não só vende por essa plataforma, como também tem a possibilidade de vender para a própria plataforma. Essa é uma relação ganha-ganha. Também fizemos parceria com o whatsapp e disponibilizamos cursos online”, relata.

Para apoiar às microempresas e empresas de pequeno porte na retomada dos seus faturamentos, Melles enfatizou a importância da facilitação do acesso ao crédito com iniciativas importantes como o Pronampe, que é um programa que disponibiliza empréstimos para pequenas empresas com juros mais baixos e prazo maior para começar a pagar, e próprio FAMPE, um Fundo de Aval constituído pelo Sebrae que oferece garantias complementares às operações de crédito contratadas, possibilitando que mais pequenas empresas tenham suas necessidades de crédito atendidas. “O Sebrae está disponibilizando simuladores de crédito, à exemplo de São Paulo e do próprio Rio Grande do Norte, cujo objetivo é orientar os empresários e empreendedores sobre como buscar, administrar e aplicar o crédito da forma adequada”, exemplifica.

O diretor-presidente do Sebrae informou que a instituição tem sete mil colaboradores qualificados em todo o Brasil, que atendem ao segmento das micro e pequenas empresas com presteza e qualidade reconhecidas pela sociedade em geral. “O Sebrae tem o papel de realizar sonhos. O empreendedor é um sonhador e quando ele vem para o Sebrae, ele encontra conteúdos e apoio para realizar esse sonho”, explica Carlos Melles, lembrando que o Brasil tem atualmente 7,5 milhões de micro e pequenas empresas e 12 milhões de Microempreendedores Individuais (MEI), que contam com o apoio fundamental  do Sebrae há quase cinco décadas, contribuindo para a melhoria do IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) de todos os municípios brasileiros.